Contador de visitas

15 de mar de 2011

22 de Março Dia Mundial da Água


Dia Mundial da Água
História do Dia Mundial da Água, 22 de março,
Declaração Universal dos Direitos da Água, sugestões de preservação




História do Dia Mundial da Água



O Dia Mundial da Água foi criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) no dia 22 de março de 1992. O dia 22 de março, de cada ano, é destinado a discussão sobre os diversos temas relacionadas a este importante bem natural.

Mas porque a ONU se preocupou com a água se sabemos que dois terços do planeta Terra é formado por este precioso líquido? A razão é que pouca quantidade, cerca de 0,008 %, do total da água do nosso planeta é potável (própria para o consumo). E como sabemos, grande parte das fontes desta água (rios, lagos e represas) esta sendo contaminada, poluída e degradada pela ação predatória do homem. Esta situação é preocupante, pois poderá faltar, num futuro próximo, água para o consumo de grande parte da população mundial. Pensando nisso, foi instituído o Dia Mundial da Água, cujo objetivo principal é criar um momento de reflexão, análise, conscientização e elaboração de medidas práticas para resolver tal problema.

No dia 22 de março de 1992, a ONU também divulgou um importante documento: a “Declaração Universal dos Direitos da Água” (leia abaixo). Este texto apresenta uma série de medidas, sugestões e informações que servem para despertar a consciência ecológica da população e dos governantes para a questão da água.

Mas como devemos comemorar esta importante data? Não só neste dia, mas também nos outros 364 dias do ano, precisamos tomar atitudes em nosso dia-a-dia que colaborem para a preservação e economia deste bem natural. Sugestões não faltam: não jogar lixo nos rios e lagos; economizar água nas atividades cotidianas (banho, escovação de dentes, lavagem de louças etc); reutilizar a água em diversas situações; respeitar as regiões de mananciais e divulgar idéias ecológicas para amigos, parentes e outras pessoas.

Declaração Universal dos Direitos da Água


Art. 1º - A água faz parte do patrimônio do planeta.Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos.

Art. 2º - A água é a seiva do nosso planeta.Ela é a condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura. O direito à água é um dos direitos fundamentais do ser humano: o direito à vida, tal qual é estipulado do Art. 3 º da Declaração dos Direitos do Homem.

Art. 3º - Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia.

Art. 4º - O equilíbrio e o futuro do nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende, em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.

Art. 5º - A água não é somente uma herança dos nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.

Art. 6º - A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.

Art. 7º - A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.

Art. 8º - A utilização da água implica no respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.

Art. 9º - A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.

Art. 10º - O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.


Vídeo - Terra Planeta Água



SESC - Presente na Semana da Água

O quê: Semana da Água
Quando: 18 a 24/ março
Horário: 10h às 22h
Onde: Praça de Eventos do Shopping Mueller Joinville
Quanto: Gratuito

Confira a programação
Dia 18/03 - Sexta-feira
11h30 e 16h00- Palestra sobre “Consumo consciente”
13h00 - Palestra sobre “Água e esgoto: da captação ao descarte”

Dia 19/03 - Sábado
13h00 - Palestra “Como e por que limpar a caixa d'agua”
17h00 - Oficina “Artesanato com material reciclado”
20h00 - Palestra “Fontes alternativas de água”

Dia 20/03 – Domingo
16h00 - Palestra sobre “Consumo consciente”
18h00 – Oficina “Puff de PET”
20h00 - Palestra sobre “Consumo consciente”

Dia 21/03 – Segunda-feira
11h00 - Palestra sobre “Consumo consciente “com reaproveitamento integral de alimentos”
12h45 - Palestra sobre “Água e esgoto: da captação ao descarte”
16h00 – Oficina de “Reaproveitamento integral de alimentos sólidos”
18h00 - Palestra sobre “Água e esgoto: da captação ao descarte”

Dia 22/03 – Terça-feira
10h30 - Palestra sobre “Consumo consciente”
11h00 – Palestra “Noções básicas sobre alimentação e nutrição”
12h15 - Palestra sobre “Consumo consciente”
13h00 – Palestra “Como e por que limpar a caixa d’água”
14h00 – Palestra “Fontes alternativas de água”
15h30 – Palestra “Consumo consciente”
17h00 - Oficina de “Reaproveitamento integral de alimentos líquidos”

Dia 23/03 – Quarta-feira
11h00 – Palestra “Alimentação saudável X Câncer”
12h45 – Palestra e Oficina “Compostagem: o melhor destino para o lixo orgânico”
15h00 – Palestra e Oficina “Compostagem: o melhor destino para o lixo orgânico”
18h00 – Oficina “Soja: um outro tipo de proteína é possível”
20h00 – Palestra e Oficina “Compostagem: o melhor destino para o lixo orgânico”

Dia 24/03 – Quinta-feira
11h00 – Palestra “Congelamento e conservação de alimentos de forma consciente”
12h45 e 18h00 – Palestra “A situação dos resíduos em Joinville: a responsabilidade de cada um”
19h00 – Oficina “Artesanato com revista”.

Realização: Fundema e Prefeitura de Joinville

Apoio: Mesa Brasil SESC * Shopping Mueller* Águas de Joinville *Secretaria de Infra Estrutura Urbana* IP.



24/04/11 - Páscoa





Símbolos da Páscoa


Do hebreu Peseach, Páscoa significa a passagem da escravidão para a liberdade. É a maior festa do cristianismo e, naturalmente, de todos os cristãos, pois nela se comemora a Passagem de Cristo - "deste mundo para o Pai", da "morte para a vida", das "trevas para a luz".

Considerada, essencialmente, a Festa da Libertação, a Páscoa é uma das festas móveis do nosso calendário, vinda logo após a Quaresma e culminando na Vigília Pascal.

Entre os seus símbolos encontram-se:


O Ovo de Páscoa


A existência da vida está intimamente ligada ao ovo, que simboliza o nascimento.

O Coelhinho da Páscoa

Por serem animais com capacidade de gerar grandes ninhadas, sua imagem simboliza a capacidade da Igreja de produzir novos discípulos constantemente.

A Cruz da Ressurreição
Traduz, ao mesmo tempo, sofrimento e ressurreição.

O Cordeiro

Simboliza Cristo, que é o cordeiro de Deus, e se sacrificou em favor de todo o rebanho.

O Pão e o Vinho

Na ceia do senhor, Jesus escolheu o pão e o vinho para dar vazão ao seu amor. Representando o seu corpo e sangue, eles são dados aos seus discípulos, para celebrar a vida eterna.


O Círio

É a grande vela que se acende na Aleluia. Quer dizer: "Cristo, a luz dos povos". Alfa e Ômega nela gravadas querem dizer: "Deus é o princípio e o fim de tudo".

Autor desconhecido



Na China


O "Ching-Ming" é uma festividade que ocorre na mesma época da Páscoa, onde são visitados os túmulos dos ancestrais e feitas oferendas, em forma de refeições e doces, para deixá-los satisfeitos com os seus descendentes.

Na Europa

As origens da Páscoa remontam a bem longe, aos antigos rituais pagãos do início da primavera (que no Hemisfério Norte inicia em março). Nestes lugares, as tradições de Páscoa incluem a decoração de ovos cozidos e as brincadeiras com os ovos de Páscoa como, por exemplo, rolá-los ladeira abaixo, onde será vencedor aquele ovo que rolar mais longe sem quebrar.
Nos países da Europa Oriental, como Ucrânia, Estônia, Lituânia e Rússia, a tradição mais forte é a decoração de ovos com os quais serão presenteados amigos e parentes. A tradição diz que, se as crianças forem bem comportadas na noite anterior ao domingo de Páscoa e deixarem um boné de tecido num lugar escondido, o coelho deixará doces e ovos coloridos nesses "ninhos".

Nos Estados Unidos

A brincadeira mais tradicional ainda é a "caça ao ovo", onde ovos de chocolate são escondidos pelo quintal ou pela casa para serem descobertos pelas crianças na manhã de Páscoa. Em algumas cidades a "caça ao ovo" é um evento da comunidade e é usada uma praça pública para esconder os ovinhos.

No Brasil e América Latina

O mais comum é as crianças montarem seus próprios ninhos de Páscoa, sejam de vime, madeira ou papelão, e enchê-los de palha ou papel picado. Os ninhos são deixados para o coelhinho colocar doces e ovinhos na madrugada de Páscoa. A "caça ao ovo" ou "caça ao cestinho" também é
utilizada.

Autor desconhecido



O significado da Páscoa...



A Páscoa é uma festa cristã que celebra a ressurreição de Jesus Cristo. Depois de morrer na cruz, seu corpo foi colocado em um sepulcro, onde ali permaneceu, até sua ressurreição, quando seu espírito e seu corpo foram reunificados. É o dia santo mais importante da religião cristã, quando as pessoas vão às igrejas e participam de cerimônias religiosas.


Muitos costumes ligados ao período pascal originam-se dos festivais pagãos da primavera. Outros vêm da celebração do Pessach, ou Passover, a Páscoa judaica. É uma das mais importantes festas do calendário judaico, que é celebrada por 8 dias e comemora o êxodo dos israelitas do Egito durante o reinado do faraó Ramsés II, da escravidão para a liberdade. Um ritual de passagem, assim como a "passagem" de Cristo, da morte para a vida.


No português, como em muitas outras línguas, a palavra Páscoa origina-se do hebraico Pessach. Os espanhóis chamam a festa de Pascua, os italianos de Pasqua e os franceses de Pâques.

A festa tradicional associa a imagem do coelho, um símbolo de fertilidade, e ovos pintados com cores brilhantes, representando a luz solar, dados como presentes. A origem do símbolo do coelho vem do fato de que os coelhos são notáveis por sua capacidade de reprodução. Como a Páscoa é ressurreição, é renascimento, nada melhor do que coelhos, para simbolizar a fertilidade!




aeggs.gif (448 bytes) Vamos ver agora como surgiu o chocolate...


Quem sabe o que é "Theobroma"? Pois este é o nome dado pelos gregos ao "alimento dos deuses", o chocolate. "Theobroma cacao" é o nome científico dessa gostosura chamada chocolate. Quem o batizou assim foi o botânico sueco Linneu, em 1753.
Mas foi com os Maias e os Astecas que essa história toda começou.
O chocolate era considerado sagrado por essas duas civilizações, tal qual o ouro.
Na Europa chegou por volta do século XVI, tornando rapidamente popular aquela mistura de sementes de cacau torradas e trituradas, depois juntada com água, mel e farinha. Vale lembrar que o chocolate foi consumido, em grande parte de sua história, apenas como uma bebida.

Em meados do século XVI, acreditava-se que, além de possuir poderes afrodisíacos, o chocolate dava poder e vigor aos que o bebiam. Por isso, era reservado apenas aos governantes e soldados.
Aliás, além de afrodisíaco, o chocolate já foi considerado um pecado, remédio, ora sagrado, ora alimento profano. Os astecas chegaram a usá-lo como moeda, tal o valor que o alimento possuía.
Chega o século XX, e os bombons e os ovos de Páscoa são criados, como mais uma forma de estabelecer de vez o consumo do chocolate no mundo inteiro. É tradicionalmente um presente recheado de significados. E não é só gostoso, como altamente nutritivo, um rico complemento e repositor de energia. Não é aconselhável, porém, consumí-lo isoladamente. Mas é um rico complemento e repositor de energia.

veggs.gif (2041 bytes) E o coelho?

A tradição do coelho da Páscoa foi trazida à América por imigrantes alemães em meados de 1700. O coelhinho visitava as crianças, escondendo os ovos coloridos que elas teriam de encontrar na manhã de Páscoa.
Uma outra lenda conta que uma mulher pobre coloriu alguns ovos e os escondeu em um ninho para dá-los a seus filhos como presente de Páscoa. Quando as crianças descobriram o ninho, um grande coelho passou correndo. Espalhou-se então a história de que o coelho é que trouxe os ovos. A mais pura verdade, alguém duvida?
No antigo Egito, o coelho simbolizava o nascimento e a nova vida. Alguns povos da Antigüidade o consideravam o símbolo da Lua. É possível que ele se tenha tornado símbolo pascal devido ao fato de a Lua determinar a data da Páscoa.
Mas o certo mesmo é que a origem da imagem do coelho na Páscoa está na fertililidade que os coelhos possuem. Geram grandes ninhadas!

ceggs.gif (456 bytes) Mas por que a Páscoa nunca cai no mesmo dia todo ano?


O dia da Páscoa é o primeiro domingo depois da Lua Cheia que ocorre no dia ou depois de 21 março (a data do equinócio). Entretanto, a data da Lua Cheia não é a real, mas a definida nas Tabelas Eclesiásticas. (A igreja, para obter consistência na data da Páscoa decidiu, no Conselho de Nicea em 325 d.C, definir a Páscoa relacionada a uma Lua imaginária - conhecida como a "lua eclesiástica").
A Quarta-Feira de Cinzas ocorre 46 dias antes da Páscoa, e portanto a Terça-Feira de Carnaval ocorre 47 dias antes da Páscoa. Esse é o período da quaresma, que começa na quarta-feira de cinzas.
Com esta definição, a data da Páscoa pode ser determinada sem grande conhecimento astronômico. Mas a seqüência de datas varia de ano para ano, sendo no mínimo em 22 de março e no máximo em 24 de abril, transformando a Páscoa numa festa "móvel".
De fato, a seqüência exata de datas da Páscoa repete-se aproximadamente em 5.700.000 anos no nosso calendário Gregoriano.

Vamos conhecer agora
os outros símbolos da Páscoa!


bunsher2.gif (7352 bytes)


Mais informações sobre a Páscoa consulte o link abaixo:

http://www.suapesquisa.com/historia_da_pascoa.htm

10 de mar de 2011

Historia de Joinville


Cerca de 5 mil anos: havia no local comunidades de coletores conhecidos como homens do sambaqui, pois deixaram no local vestígios de artefatos e conchas. Além desses habitantes, a região também abrigava índios.

Século XVIII: famílias portuguesas vieram para a região com seus escravos provavelmente vindas de São Paulo, na época capitania de São Vicente, e de São Francisco do Sul. Elas ocuparam lotes de terra e passaram a cultivar cana-de-açúcar, arroz, mandioca, milho, entre outros produtos.

História casa enxaimel Joinville I
Foto: Casa Antiga Enxaimel - Joinville - SC

1849: surgimento da colônia Dona Francisca graças a um contrato assinado entre a Sociedade Colonizadora de Hamburgo e o príncipe e a princesa de Joinville, casal que ganhou como dote de casamento as terras que hoje formam Joinville.

9 de março de 1851: fundação da cidade pela primeira leva de imigrantes que chegou à cidade. Por causa da crise econômica, política e social, milhares de pessoas resolveram deixar a Europa e tentar a sorte longe de seu continente de origem. Um dos destinos era a colônia Dona Francisca. Cerca de 17 mil pessoas vieram para a região de 1850 a 1888 pela Barca Colon, sendo a grande maioria protestantes e agricultores, que acreditavam estarem vindo para o paraíso na terra. Os influentes da colônia na época queriam tirar vantagem dos imigrantes e estabelecer na região uma colônia alemã ligada aos interesses dos alemães. Porém o governo brasileiro incentivava a substituição de escravos por colonos livres e a miscigenação da população brasileira.
Monumento aos Colonizadores Joinville
Foto: Monumento aos Colonizadores - Joinville - SC

1866: a colônia Dona Francisca é elevada a vila e, por isso, desmembrou-se politicamente de São Francisco do Sul.

1880: surgimento das primeiras indústrias têxteis e metalúrgicas na cidade. O mate passa a ser o principal produto de exportação. Com a ascensão dos luso-brasileiros na região por conta do comércio vindo do Paraná e da formação das primeiras fortunas locais, a elite germânica criou uma tensão na luta pelo poder político local. Na época a cidade também contava com associações culturais de ginástica, de tiro, de canto e de teatro, além de escolas, igrejas, hospitais, lojas maçônicas, corpo de bombeiros, entre outros.

1887: Joinville é elevada à categoria de cidade, e a indústria e o comércio começam a ganhar destaque, com quatro engenhos de erva-mate, 200 moinhos e 11 olarias. Produtos como madeira, couro, sapatos, louça, móveis, cigarros e mate são exportados; e ferro, instrumentos musicais, artigos de porcelana e de pedra, sal, medicamentos, máquinas e instrumentos agrícolas, cerveja, vinho, trigo, sardinha e carne seca são importados.

Século XX: grandes evoluções acontecem em Joinville, como a inauguração da estrada de ferro São Paulo–Rio Grande do Sul, que passava por Joinville rumo a São Francisco do Sul; o surgimento da energia elétrica, do automóvel, do telefone e do transporte coletivo. O professor paulista Orestes Guimarães organizou uma reforma no sistema de ensino da cidade.
História de Joinville Cassa Enxaimel III
Foto: Casa Fleith - Joinville - SC

1926: Joinville conta com 46 mil habitantes. O fortalecimento do setor metal-mecânico deu-se principalmente pelo capital acumulado por décadas pelos imigrantes alemães e por seus descendentes.

1938: com a Campanha de Nacionalização do então presidente Getúlio Vargas, a língua alemã, principal idioma da época na região, foi proibida, assim como as associações alemães. Além disso, os germânicos e seus descendentes foram perseguidos e presos. Esses atos intensificaram-se com a entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial.

Entre 1950 e 1980: com o fim da Segunda Guerra Mundial, o Brasil deixou de importar produtos da Europa. Com isso, em pouco tempo Joinville se transformou em um dos principais pólos industriais do país, passando a ser conhecida como Manchester Catarinense, por causa da cidade inglesa homônima.
1980 até os dias atuais: com o crescimento da cidade, Joinville passou a ter problemas sociais típicos de cidade grande, como o desemprego, a miséria, a criminalidade e a falta de infra-estrutura adequada. A população também se modificou com a chegada de migrantes de vários locais do país e hoje tem cerca de 500 mil habitantes.
História de Joinville IV
Foto: Casa Típica Européia - Joinville - SC
Fotos: Lysandro Lima.
Redação: Marília G. Boldorini.
Todos os direitos reservados (( Radar Sul ))
Habitualmente, remonta-se o surgimento da colônia Dona Francisca, atual cidade de Joinville ao contrato assinado em1849 entre a Sociedade Colonizadora de Hamburgo e o príncipe e a princesa de Joinville (ele, filho do rei da França e ela, irmã do imperador D. Pedro II), mediante o qual estes cediam 8 léguas quadradas à dita Sociedade, para que fossem colonizadas. Assim, oficialmente a história de Joinville começa com a chegada da primeira leva de imigrantes europeus e a "fundação" da cidade em 9 de março de 1851.
Sabe-se, no entanto, que há cerca de cinco mil anos, comunidades de caçadores e coletores já ocupavam a região, deixando vestígios (sambaquis, artefatos). Índios ainda habitavam as cercanias quando aqui chegaram os primeiros imigrantes. Por fim, no século XVIII, estabeleceram-se na região famílias de origem lusa, com seus escravos negros, vindos provavelmente da capitania de São Vicente (hoje Estado de São Paulo) e da vizinha cidade de São Francisco do Sul. Adquiriram grandes lotes de terra (sesmarias) nas regiões do Cubatão, Bucarein, Boa Vista, Itaum e aí passaram a cultivar mandioca, cana-de-açúcar, arroz, milho entre outros.
Os primeiros imigrantes
Por volta da década de 1840, uma grave crise econômica, social e política assolou a Europa. Fugindo da miséria, do desemprego, de perseguições políticas, milhares de pessoas resolveram emigrar. Um dos destinos era a colônia Dona Francisca, para onde vieram cerca de 17.000 pessoas entre 1850 e 1888.
A maioria protestantes, agricultores sem recursos, estimados pela propaganda, que apresentava o lugar como se fosse um verdadeiro paraíso terrestre.
A intenção da Sociedade Colonizadora, formada por banqueiros, empresários e comerciantes era, entretanto, auferir grandes lucros com a "exportação" dessa "carga humana" e estabelecer uma colônia uma colônia "alemã", vinculada aos interesses comerciais alemães. O governo imperial brasileiro por sua vez incentivava a imigração visando substituir a mão-de-obra escrava por colonos "livres", ocupar os vazios demográficos e também "branquear" a população brasileira.
A evolução econômica
A indústria e o comércio, porém, começavam a se destacar: havia quatro engenhos de erva-mate, 200 moinhos, onze olarias. Exportava-se madeira, couro, louça, sapatos, móveis, cigarros e mate; importava-se ferro, artigos de porcelana e pedra, instrumentos musicais, máquinas e instrumentos agrícolas, sal, medicamentos, trigo, vinho, cerveja, carne seca e sardinha. Ainda nesse ano, Joinville é elevada à categoria de cidade (em 1866 fora elevada à vila, desmembrando-se politicamente de São Francisco do Sul).
Na década de 1880, surgem as primeiras indústrias têxteis e metalúrgicas. O mate transforma-se no principal produto de exportação da colônia Dona Francisca; o seu comércio, iniciado por industriais vindos do Paraná, deu origem às primeiras fortunas locais e consolidou o poder de uma elite luso-brasileira. Isso gerou uma tensão com a elite germânica, hegemônica até então, na luta pelo poder político local. Nesse período, Joinville já contava com inúmeras associações culturais (ginástica, tiro, canto, teatro), escola, igrejas, hospital, loja maçônica, corpo de bombeiros entre outros.
No início do século XX, uma série de fatos acelerou o desenvolvimento da cidade: é inaugurada a Estrada de Ferro São Paulo Rio Grande, que passava por Joinville, rumo a São Francisco do Sul; surgem a energia elétrica, o primeiro automóvel, o primeiro telefone e o sistema de transporte coletivo. Na área educacional, o professor paulista Orestes Guimarães promove a reforma no ensino em Joinville. Em 1926, a cidade tinha 46 mil habitantes. Na economia percebeu-se o fortalecimento do setor metal-mecânico; entra aqui o capital acumulado durante décadas pelos imigrantes germânicos e seus descendentes.A partir de 1938, a cidade passou a sofrer os efeitos "Campanha de Nacionalização" promovida pelo governo Vargas: a língua alemã foi proibida, as associações alemãs foram extintas, alemães e descendentes forma perseguidos e presos. Essas ações intensificaram-se ainda mais com a entrada do Brasil na 2ª Guerra Mundial, acirrando os ânimos entre a população luso-brasileira e os alemães e seus descendentes, causando profundas seqüelas na sociedade local.
Manchester Catarinense
Entre as décadas de 50 e 80, Joinville viveu outro surto de crescimento: com o fim do conflito mundial, o Brasil deixou de receber os produtos industrializados da Europa. Isso fez com a cidade se transformasse em pouco tempo em um dos principais pólos industriais do país, recebendo por isso a denominação de "Manchester Catarinense" (referência à cidade inglesa de mesmo nome). O crescimento desordenado trouxe também problemas sociais que persistem até os dias atuais, como desemprego, miséria, criminalidade, falta de segurança pública e infra-estrutura deficitária.
O perfil da população modificou-se radicalmente com a chegada de migrantes vindos de várias partes do país, em busca de melhores condições de vida. Aos descendentes dos imigrantes que colonizaram a região q que hoje são minoria, somam-se hoje pessoas das mais diferentes origens étnicas, formando uma população de cerca de 500.000 habitantes. Joinville é uma cidade que pretende preservar sua história e inserir-se na "modernidade".
Dilnei Firmino da Cunha
Professor e Historiador
Fonte: http://www.achetudoeregiao.com.br/SC/joinville/historia.htm
De 04/03/2011 Até 20/03/2011 - Joinville 160 anos
Joinville completa 160 anos no dia 9 de março e neste ano a programação comemorativa inclui também os festejos de carnaval. Na organização, estão envolvidas a Secretaria de Comunicação (Secom), a Fundação Municipal de Esportes, Lazer e Eventos (Felej), e a Fundação Cultural de Joinville (FCJ). Abaixo confira a programação oficial das comemorações.

4 de Março (sexta-feira) Carnaval 2011 - Joinville 160 anos na Praça Dario Salles - Centro
Show com a Banda Explosão Fusão às 19h00.
Escolha da Rainha e Rei Momo do Carnaval de Joinville às 21h00.
Show nacional com o grupo Negritude Júnior às 23h00

5 de Março (sábado)
Das 8h00 às 12h00 Joinville em Movimento na zona Leste, na Praça David da Graça localizada na rua Alferes Schimdt - Comasa.
Carnaval 2011 - Joinville 160 anos - às 15h00 Carnaval Infantil 2011 na Praça Nereu Ramos. Às 19h00
desfile de Blocos e Escola de Samba na rua Rio Branco - Centro. A meia-noite na Praça Dario Salles - Centro show com Karina K e Banda, Bera Samba.

6 de Março (domingo)
Joinville em Movimento das 8h00 às 13h00 na rua Hermann August Lepper (Beira Rio) - Centro.
Apresentação às 10h30 da Camerata Dona Francisca com a participação do solista Douglas Hahn na Casa da Memória na rua XV de Novembro, 978 - Centro e uma homenagem aos ex-prefeitos e aos Imigrantes de Joinville.

7 de Março (segunda-feira)
Joinville em Movimento na zona Sul na Praça Rua Baobás - Parque Guarani das 8h00 às 12h00.

8 de Março (terça-feira)
Joinville em Movimento - Integrando Gerações no Lar Bethesda e Praça Rio Bonito em Pirabeiraba das 8h00 às 12h00.

9 de Março (quarta-feira)
Joinville em Movimento das 8h00 às 12h00 na zona Norte, Maratoninha Infantil 160 anos na Praça Jardim Resplendor. A praça fica na rua Vice Prefeito Luiz Carlos Garcia no Costa e Silva.
Exposição do Aniversário de Joinville 160 anos às 16h00 no Expocentro Edmundo Doubrawa, anexo ao Centreventos Cau hansen.
Desfile comemorativo do Aniversário dos 160 anos de Joinville às 19h00 na Avenida José Vieira (Beira Rio) em frente ao Centreventos.

12 de março (sábado)
Competição de Judô das 8h00 às 13h00 na Federação Catarinense A.A. Tupy na rua Albano Schmidt, 3605 - Boa Vista.
Sábado na Estação das 9h00 às 17h00 com o Mercado de Pulgas, Produtos Coloniais, Feira de Arte e Artesanato e Apresentações Culturais na Estação da Memória, na rua Leite Ribeiro, S/N no Anita Garibaldi.
Apresentação da Esquadrilha da Fumaça da Força Aérea Brasileira às 16h00 no Aeroporto Lauro Carneiro de Loyola - Aeroclube de Joinville.

13 de março (domingo)
Passeio Ciclístico na A.A. Tupy das 8h00 às 10h00 na rua Albano Schmidt, 3605 - Boa Vista.
44° Circuito Boa Vista de Ciclismo das 10h00 às 12h00 na rua Albano Schmidt, 3605 - Boa Vista.

17 de março (quinta)
Aniversário da Escola do Teatro Bolshoi com Espetáculo Gala de Aniversário no às 20 horas no Teatro Juarez Machado. A venda dos ingressos será na recepção da Instituição no valor de R$ 10,00. Estudantes e idosos pagam metade.

20 de março (domingo)
Passeio ciclístico dos 160 anos de Joinville às 8h00. A largada será na Estação da Memória.

Para mais informações entre em contato com a Secretaria de Comunicação, Unidade de Eventos pelos telefones (47) 3431.3466 ou (47) 3431.3245.

Fonte: http://www.turjoinville.com.br/agenda.php?pagina=&cod=112&ano=2011
Hino de Joinville
Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=HySlGzHjDUM

2 de mar de 2011

É para você Mulher

Recados Para Orkut


Feliz Dia Internacional da Mulher!



Sua sabedoria não consiste na superioridade ou na fama, mas no fato de suas realizações terem um traço de simplicidade, bondade e profundo amor.
Parabéns pelo seu dia!!!

Veja o vídeo!


Fontehttp: www.youtube.com/watch?v=9eGlURTZYRo




Fontehttp: www.youtube.com/watch?v=9eGlURTZYRo


A todas as mulheres e principalmente as professoras maravilhosas da E. M. Profª Rosa Mª Berezoski Demarchi.



Carnaval




Carnaval é um período de festas que tem como base o ano lunar no Cristianismo da Idade Média. Durante esse período, havia grandes festejos populares e as cidades brincavam, cada uma do seu jeito, de acordo com seus costumes. Essas festividades aconteciam, pois logo depois aconteceria a Quaresma, onde se tinham várias privações, pelo jejum de 40 dias, o que deu a origem do termo “carnaval” pelo “adeus à carne” ou “carne vale”. No Renascimento as festas agregavam os bailes de máscaras, com ricas fantasias e carros alegóricos.

O carnaval de hoje que conhecemos com desfiles e fantasias é produto da sociedade vitoriana do século XIX. As cidades de Nice, Nova Orleans, Toronto e o Rio de Janeiro se inspiraram na festa carnavalesca que era realizada na cidade de Paris. Geralmente dura três dias, dias que antecedem a Quarta-feira de Cinzas que dá início a Quaresma.

A primeira escola de samba do Rio de Janeiro chamava-se Deixa Falar, criada em 12 de agosto de 1928. Mais tarde tornou-se a escola de samba Estácio de Sá. A partir daí o carnaval de rua começou a ganhar novo formato e novas escolas de samba.

Carnaval – Escolas de Samba do Rio de Janeiro


Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=aQaFFD6JS1U

No Nordeste, o carnaval de rua ainda mantém suas tradições originais em cidades como Olinda e Recife, onde as pessoas saem as ruas no ritmo do frevo e maracatu. Em Recife, uma das atrações principais são os boneco gigantes.

Carnaval de Recife


Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=cg6ijCr-SPQ

Mas o conhecido carnaval brasileiro nem sempre foi de escolas de samba e seus enredos, fantasias e carros alegóricos. Na década de 20, o que começou a fazer sucesso foram as Marchinhas de Carnaval. A primeira marchinha foi a composição de 1899 de Chiquinha Gonzaga, Ó Abre Alas. Vários intérpretes levaram as marchinhas ao seu apogeu como Carmem Miranda , Almirante, Dalva de Oliveira, Sílvio Caldas, Jorge Veiga e Blecaute. Grandes compositores também foram responsáveis pelo sucesso das marchinhas como João de Barro, Braguinha, Noel Rosa, Alberto Ribeiro, Ary Barroso e Lamartine Babo.

Confira os vídeos abaixo onde o programa do Arquivo N mostra a história da Marchinha de Carnaval!

[Arquivo N] Relembre Marchinhas de Carnaval – 1 de 3


Fonte: youtube=http://www.youtube.com/watch?v=aEID9tGlpLI

[Arquivo N] Relembre Marchinhas de Carnaval - 2 de 3


Fonte:http://www.youtube.com/watch?v=pOyVqw3WSAE&playnext=1&list=PLA66D3976DB91E135&index=4

[Arquivo N] Relembre Marchinhas de Carnaval - 3 de 3


Fonte:youtube=http://www.youtube.com/watch?v=RNsmFXqFE0I&playnext=1&list=PLA66D3976DB91E135&index=3

A Turma da Mônica se aventurou no Carnaval! Clique na imagem e confira no site a história em quadrinhos da turminha.

Curiosidade

Em 2005, o carnaval de Salvador, Bahia, entrou para o livro Guinness Book como a maior festa de rua do mundo.

Recife, Pernambuco, possui o maior bloco de carnaval do mundo o Galo da Madrugada.

Escolas de Samba Vencedoras nos Últimos Carnavais no Rio de Janeiro:

1998 – Mangueira e Beija-Flor

1999 – Imperatriz Leopoldinese

2000 – Imperatriz Leopoldinese

2001 – Imperatriz Leopoldinese

2002 – Mangueira

2003 – Beija-Flor

2004 – Beija Flor

2005 – Beija-Flor

2006 – Unidos de Vila Isabel

2007 – Beija-Flor

2008 – Beija-Flor

2009 – Acadêmicos do Salgueiro

2010 – Unidos da Tijuca

Escolas de Samba Vencedoras nos Últimos Carnavais em São Paulo:

1998 – Vai-Vai

1999 – Vai-Vai, Gaviões da Fiel

2000 – Vai-Vai, X-9 Paulistana

2001 – Vai-Vai, Nenê de Vila Matilde

2002 – Gaviões da Fiel

2003 – Gaviões da Fiel

2004 – Mocidade Alegre

2005 – Império de Casa Verde

2006 – Império de Casa Verde

2007 – Mocidade Alegre

2008 – Vai-Vai

2009 – Mocidade Alegre

2010 – Rosas de Ouro

Como é calculado o carnaval do próximo ano

Todos os feriados eclesiásticos são calculados em função da data da Páscoa, com exceção do Natal. Como o domingo de Páscoa ocorre no primeiro domingo após a primeira lua cheia que se verificar a partir do equinócio da primavera (no hemisfério norte) ou do equinócio do outono (no hemisfério sul), e a sexta-feira da Paixão é a que antecede o Domingo de Páscoa, então a terça-feira de Carnaval ocorre 47 dias antes da Páscoa.

MUSTI – AS MÁSCARAS DE CARNAVAL


Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=8ROyswVR6uo
Referências

http://pt.wikipedia.org/wiki/Carnaval

http://pt.wikipedia.org/wiki/Deixa_Falar

http://www.suapesquisa.com/carnaval/

http://pt.wikipedia.org/wiki/Marchinha_de_Carnaval

Publicado em Uncategorized | Deixar um comentário

Fonte: http://carnavalportalprofessor.wordpress.com/